lunes, 21 de mayo de 2007

Desterro


O desterro não é morte, se morte significar alguma coisa, apenas o desapego.
O final do caminho espera-nos tal sorte.

É o estado de maior nudez, é o estado de maior solidão.
No desterro já não há vozes que adormeciam-nos suavemente.
Os gritos desvanecem-se numa quietude total.
Somos todos desterrados,
porque o abandono do circulo é uma lei não escrita,
mas natural.
O desterro é a senda do espírito sem carne,
quando a totalidade se fundir em nós.
Entendere-mos então que nada tinha sentido no mundo.
Apenas circunstancial.

8 comentarios:

maat dijo...

Fantástico, não sei se é o termo apropriado.Mas que belo, meu Amigo...que belo!!!


Abraço com afecto,

***maat

Luis Enrique dijo...

Obrigada amiga. Você está boa? seu blog é uma visita obrigatoria para mim, é um mar de beleza e paz.

um abraço amiga

Vladimir dijo...

muito beloooooooooooo, quantos de nós não nos sentimos desterrados?

lopehandia dijo...

Pois é Vladimir, quanto e quantos de nós o desterro e um sentir. Referente ao pensamento, não há nada nele que seja negativo, pelo contrario, o sentido seria a perspectiva com que se entenda.

Abraço, grato pela visita.

Maria Costa dijo...

Lindo.

Queremos mais!

Beijinhos

Paulo Gurgel dijo...

Caro Luis Enrique:
A foto do espantalho humano é de uma beleza comovente.
Fiz um comentário humorístico na postagem em que a publiquei como forma de dizer o meu apreço por ela.
Infelizmente, não disponho da fonte da imagem.
O seu blog é ótimo. Leio-o sempre.
Abraço.
Dr. Paulo Gurgel
http://blogdopg.blogspot.com

Hanah dijo...

Lindo !!!

Fazendo coro com a Maria
Queremos Mais !!!

Beijo !!!

Luis Enrique dijo...

Cara Maria,
Obrigada pelo seu comentario. Abraço

Doutor,

Pronto, não tem importancia, gostei muito da foto do espantalho. Obrigada pelo comentario. Abraço

Cara hanah,
ainda bem que gostou, agradeço também seu comentario. Abraço