martes, 27 de marzo de 2007

Sem ti, contigo


Fiquei um dia sem o prazer de ti,
tanto e quanto, meu prazer era olhar-te.
Te envolve um não sei o que...pensei na altura.
Mãos meigas, olhar perfumado de ternura.
Mas o tempo, esse, olhou para isso como loucura,
e separou minha mão da tua.
A tua candura lembro, arte de quem tem saudades tuas.
No meu coração, uma crua ferida,
aberta e nua.
Sepultura , falou o vento;
eu, canto, mas canto com penas mudas.
Se te lembrar, então voltarías a mim
como naquele tempo,
onde, sem sequer saber, tua presença sentía.
E, um dia, sem pensar, a partida era a tua.

7 comentarios:

lupussignatus dijo...

O tempo, esse artesão de sentimentos...

Em cada partida, vive um novo recomeço. É isso que também nos faz ter saudades do futuro...

Luis Enrique dijo...

Retirado de "O tempo, esse grande escultor". Viagens e consciencias do Universal
"Não se possui ninguém (mesmo os que pecam não o conseguem) e, sendo a arte a única forma de posse verdadeira, o que importa é recriar um ser e não prendê-lo....
Só se possuem eternamente os amigos de quem nos separamos."

Marguerite Yourcenar

Abraço. obrigado pelo seu comentario

Paulo Sempre dijo...

Esta saudade do céu, esta ausência de viver, que por vezes, "dança" no espírito da gente "obriga-nos" a ter saudades do futuro...pois a noção do tempo que passou não é mais do que um "fantasma" pretérito que nos "fustiga" o presente...
Entre partidas e chegadas há, ainda assim, a esperança do retorno sem posterior partida. E a esperança - diz o povo - é a última a morrer.
Abraço
Paulo

Luis Enrique dijo...

A esperança..o único rastro de luz. È assim. Obrigada Paulo. Já conheces então meu novo e distinto blog.

Ubraço

maat dijo...

Simplicidade e requinte, este novo espaço,espólio de sua sensibilidade, Amigo.

Gostei imenso.
(...)
Quanto ao poema, que delicado e belo como a imagem que colocou...
Até doi de tanta candura ...o feminino no sagrado...belo!!!
Abraço,

***maat

maat dijo...

juraria que tinha deixado um novo comentário!!!
mas...desapareceu...

dizia-lhe então: Simplicidade e requinte, este novo espaço, espólio de sua sensibilidade.gostei muito!
(...)
Quanto ao poema, nem devo falar agora...um delicado poema pleno de candura como a flor que o representa...é o feminino nas oitavas mais sagradas...


Obrigada, Amigo.


***maat

Luis Enrique dijo...

Obrigada amiga. O comentario não dessapareceu, o q acontece é que coloquei o "moderador dos comentarios" por causa dos SPAM, não por causa das minhas e meus amigos conhecidos e que os tenho em alta estima. O comentario não aparece inmediatamente mas logo. Obrigado pelo seu.

Sim, acho q aqui intento expressar um pouco, alguma coisa q nós os homens não podemos no mundo real, nosso lado femenino.

Um abraço, beijinhos.